Praia do Rosa – Resenha

Feliz 2015 galera!

    Sendo a primeira postagem oficial do blog neste ano, pois eu estava em férias e voltei somente agora, resolvi fazer uma pequena resenha sobre minha estadia na Praia do Rosa, mais especificamente na Pousada Aconchego do Rosa, que foi nesta última semana (13 a 17/01), com reserva feita meio que em cima da hora para aproveitar a última semana de férias. Enfim, vamos aos fatos:

Entrada da Pousada

A VIAGEM

    Descendo pela 376 (obviamente), a estrada está em ótimas condições e os pedágios são relativamente baratos (5 praças até o Rosa a R$ 1,80 cada, totalizando R$ 18,00 ida e volta). A última vez que fui para lá, em 2005, ainda não haviam as praças, mas a BR duplicada ia até pouco mais que Floripa, mas dessa vez a duplicação é total, sem stress algum no caminho a não ser alguns trechos perto do viaduto para Blumenau e perto de Itajaí na ida (congestionamento zero na volta). Em tempo: resolvi descer na terça-feira 13 e voltar no sábado 17, justamente para pegar o contrafluxo.
    O preço do combustível na região de Palhoça também não é muito diferente dos praticados em Curitiba, por isso enchi o tanque na saída e depois quase chegando lá, pois são apenas 360Km de estrada.

A POUSADA

    Tudo muito simples, sem piscina e com ventiladores, mas tudo bem ajeitadinho e bem perto do centrinho (mas meio longe da praia, melhor ir de carro). A área da churrasqueira é bem ampla e cabe uma galera, dá pra fazer um shorras bem tranquilo.

Churrasqueira

Área da churrasqueira da pousada

    O checkin foi na hora, paguei o restante (dei 50% adiantado, padrão) e só entreguei as chaves na saída. Nenhuma ostentação, mas o local é muito bom, apesar do calorão que fez quase todos os dias, mesmo chovendo quase todo dia no período da noite, pois os quartos não possuem ar condicionado. A pousada conta com diversos utensílios de cozinha e um fogão “cooktop” (sem forno), o que dá para fazer lanches, esquentar água, etc. (não tem microondas). Não tem geladeira, mas tem um frigobar que é suficiente para colocar coisas para uso rápido. O chuveiro é do tipo superducha turbo, com pressurizador, muito bom, e o quarto conta com uma cama de casal e um sofá-cama na sala, abrigando 3 pessoas confortavelmente.

Cozinha

Área da cozinha

Frigobar

Frigobar

Sala

Sala com a cama de solteiro

Quarto

Quarto com cama de casal

    Os responsáveis pela pousada me foram bem solícitos quando precisei de um tê para tomadas, trocar o cano do chuveirinho que estava ressecado e furou, e também providenciando umas lenhas para ajudar a acender a churrasqueira. A roupa de cama e toalhas eram trocados sempre que solicitado.

A PRAIA

    A praia do Rosa é muito legal, porque tem pedras de crack e trilhas dos dois lados para caminhada, e locais muito bons para fotos. A trilha do Rosa Norte sai na Praia Vermelha, mas não foi até o final porque a praia estava deserta e eu estava seco de sede, mas fiz alguns registros do outro lado do morro.

Praia do Rosa

Praia do Rosa – orla

Praia do Rosa

Praia do Rosa – vista geral

Trilha

Vista da trilha indo para a Praia Vermelha

Trilha

Vista da trilha sentido Rosa

Trilha

Placa no meio da trilha indo para a Vermelha

Praia Vermelha

Vista para a Praia Vermelha

    Não há muitos restaurantes na praia, exceto no Rosa Sul onde tem um ou dois, mas as cabanas espalhadas na orla vendem quase tudo, de milho cozido a água de côco, passando por açaí na tigela, sucos, cerveja e até uns salgados suspeitos.

Rosa Sul

Prainha do Rosa Sul

    Em um dos dias resolvi variar e fui até a Praia da Ferrugem, já perto de Garopaba (que fica a 20Km do Rosa), pois era uma praia que eu não conhecia. Também dei uma caminhada, subi nas pedras e comi umas porções no restaurante da ponta, com bom atendimento e cerveja bem gelada.

Ferrugem

Praia da Ferrugem em Garopaba

A ESTRUTURA

    A Praia do Rosa é relativamente bem suprida de mercados, pois possui lojas de conveniências 24 horas para uma compra de emergência e também diversos mercadinhos onde se encontra de tudo. Há um mercado central que fica mais longe da pousada mas que tem açougue, o único que vi na região. Os preços praticados lá não são muito diferentes dos de Curitiba, então não compensa levar muita coisa no carro.
    O centrinho possui diversos restaurantes e lanchonetes, incluindo dois de comida japonesa, duas paleterias e várias lojas de artesanato, camisetas e biquínis onde pode se encontrar quase tudo. Aqui vale uma nota quanto aos preços praticados nos restaurantes, um tanto salgados (mas esperados para um lugar desses e nessa época do ano). Como a pousada é no estilo flat, dá para economizar fazendo sua própria comida, mas não foi meu caso.
    Da outra vez que eu fui lembro que as ruas de acesso às pousadas e à praia eram todas de pedra bruta e chão batido (areia e terra), ou seja, bem ruim. Desta vez, boa parte dos acessos já estava com paralelepípedos, exceto a rua de entrada e alguns becos, mas que a prefeitura envia máquinas para realinhar os terrenos quando chove muito, então isso não chega a ser um problema.

    Eis que chega ao fim outra resenha. Até a próxima!

Anúncios
Esse post foi publicado em Fervos Los Palhêra, Turismo e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s